Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/10/20 às 9h30 - Atualizado em 13/10/20 às 9h44

Política habitacional para a pessoa com deficiencia no DF é tema de live

COMPARTILHAR

 

Secretária da Pessoa com Deficiência do DF, Rosinha da Adefal, conversou ao vivo com representantes da CODHAB.

 

 

As novidades nos programas habitacionais e o atendimento à pessoa com deficiência foram destaques durante live promovida pela Secretaria da Pessoa com Deficiência do DF. O encontro virtual entre a secretária Rosinha da Adefal, o presidente da CODHAB, Wellington Luiz, e a a arquiteta Sandra Marinho, da Diretoria de Assistência Técnica da companhia, foi transmitido nesta quinta-feira (08) pelo Facebook da SEPD.

 

Alguns assuntos entraram em pauta durante a conversa. Um dos destaques foi o programa Melhorias Habitacionais. Um acordo assinado em setembro pela SEPD e Codhab garantiu a ampliação do programa para pessoas com deficiência que já receberam suas casas, porém sem adaptações. As reformas nessas residências garantirão a acessibilidade do morador.

 

“Enquanto o Morar Bem produz novas unidades, o Melhorias Habitacionais cuida daquelas unidades que já estão estabelecidas, de forma a respeitar o vínculo daquelas pessoas com aquela região onde elas cresceram, se estabeleceram, formaram seus laços familiares. Então a nossa intenção é de prolongar a permanência daquela família naquela unidade habitacional”, explica Sandra Marinho. Segundo ela, as reformas são feitas de acordo com o tipo de deficiência do morador, de maneira personalizada.

 

“Um exemplo bem claro é alguém que possa ter adquirido uma deficiência ao longo da vida precisa fazer as adequações para poder ter uma melhor qualidade de vida dentro da sua própria casa”, frisou a chefe da SEPD, exemplificando quem poderá ser beneficiado com o programa.

 

Rosinha relembrou que, assim que assumiu o cargo de secretária, em março deste ano, foi procurada pela cúpula da Codhab para reunião presencial e destacou o bom relacionamento entre a SEPD e a companhia. Ela falou ainda sobre a iniciativa da companhia em ampliar o Melhorias Habitacionais para pessoas com deficiência. “Isso só mostra a vontade técnica e política da Codhab e deste governo em realmente fazer alguma coisa”, elogiou.

 

Melhorias Habitacionais começa em Brazlândia

 

A etapa piloto do Melhorias Habitacionais atenderá moradores de Brazlândia. A preferência é que esses moradores sejam da Vila São José. Nessa primeira etapa estão abertas 40 vagas. O programa deve ser ampliado para mais pessoas assim que houver previsão orçamentária.

 

O interessado deverá se inscrever pelo aplicativo da Codhab, disponível gratuitamente no Play Store (Android) App Store (IOS). Depois do download concluído, o usuário deverá ir para o ícone de assistência técnica, onde será automaticamente direcionado para o Melhorias Habitacionais. Assim que selecionar a opção, o usuário preenche uma ficha, para que sua inscrição seja validada.

 

Quem tiver dificuldades de utilizar a ferramenta poderá procurar a Administração Regional da cidade. Uma força tarefa formada por servidores da SEPD, Codhab e Administração Regional está à disposição para auxiliar o público nessa inscrição.

 

Confira abaixo alguns outros assuntos abordados durante a live:

 

– Acesso a programas habitacionais será facilitado

 

Rosinha também disse ao presidente da Codhab ter recebido algumas reclamações vindas de pessoas com deficiência sobre o acesso a programas habitacionais conduzidos pela companhia. Wellington Luiz julgou essas reclamações como “procedentes” e afirmou que a demora na conquista da casa própria é uma queixa antiga.

 

“Essas pessoas vem sofrendo ao longo de muitos anos. E não é só o caso específico da pessoa com deficiência, o nosso programa habitacional é deficitário. Não há nada que justifique uma família esperar 40, 45 anos pra receber o seu imóvel”, lamentou Wellington. Ele garantiu que a companhia “vem corrigindo todas essas falhas para melhor atender à população do Distrito Federal”. “Eu estou muito otimista. Eu acho que esses problemas estão sendo detectados, apontados por essas pessoas e eles serão corrigidos”, reforça.

 

– Pessoas de baixa renda também serão atendidas

 

A Secretária também questionou sobre a dificuldade que pessoas com renda mais baixa poderiam enfrentar para acessar os programas da Codhab. Em resposta, Wellington Luiz disse que viabilizará outras possibilidades para permitir um acesso mais democrático à moradia. “A proposta que a gente traz, um convênio que nós firmamos para que a gente crie outras possibilidades. E o governador Ibaneis [Rocha] tem sido muito rigoroso nisso, para que essas oportunidades sejam verdadeiras e que não sejam enganosas ou de araque”, pontua. “Essas pessoas serão respeitadas e terão o seu direito garantido”, reforça.

 

A secretária Rosinha se prontificou ainda a a promover um encontro entre a cúpula da Codhab e um grupo de pessoas com deficiência que entrou em contato com ela. Essas pessoas, de acordo com a gestora, teriam relatado algumas falhas nos programas habitacionais. “Eu acho que o acolhimento é o primeiro passo para que a gente possa buscar resolver”, afirma Rosinha. Wellington se mostrou disponível a receber o grupo para uma conversa presencial. “A companhia é muito visitada, graças a Deus, as pessoas estão próximas a nós”, destacou o presidente.

 

– Fila de pessoas com deficiência

 

Durante a live, um internauta questionou a CODHAB quanto a fila de pessoas com deficiência. A Secretária Rosinha avalia que o Distrito Federal está à frente de outras Unidades da Federação quanto ao acesso da pessoa com deficiência às moradias. O problema classificado pela gestora seria social.

 

Wellington afirmou que “medidas estão sendo tomadas para atender a quem mais precisa”.

 

– Parceira SEPD e CODHAB

 

Rosinha da Adefal também enumerou algumas ações em parceria entre a Secretaria a CODHAB. Uma delas consistiu num treinamento oferecido a servidores da companhia para o atendimento humanizado a pessoas com deficiência. Foram três dias de treinamento, com turmas reduzidas em virtude da pandemia do novo coronavírus.

 

Além da parte teórica sobre as deficiências e como deve ser o atendimento, os alunos sentiram na pele a dificuldade pela qual o público passa quando procura atendimento. “Foi super interessante ver seus funcionários sentando na cadeira de rodas, colocando uma venda nos olhos, andando como se fosse uma pessoa cega, pra pessoa entender o que passamos quando vamos aos órgãos e as pessoas não sabem o que é a limitação e como lidar com isso”, pontua.

 

Ela também disse que servidores da SEPD auxiliam a parte de tecnologia da CODHAB a desenvolver aplicativo e site acessíveis para o público com deficiência.

 

Live acessível

 

Todas as lives da Secretaria da Pessoa com Deficiência do DF oferecem acessibilidade para que pessoas com deficiência tenham acesso ao conteúdo discutido durante as transmissões.

 

Durante todo início de live, a Secretária Rosinha da Adefal descreve o cenário da tela para ambientar pessoas cegas ou com baixa visão. Além disso, dois intérpretes se revezam na tradução da conversa para a Libras (Língua Brasileira de Sinais). A tradução simultânea tem o intuito de atender surdos sinalizados que não conhecem a língua portuguesa, porque a Libras é sua primeira língua.

 

Por outro lado, os surdos oralizados que não conhecem a Libras tem a opção de legenda em tempo real. Um software capta o áudio e o transforma instantaneamente em texto para auxiliar o entendimento desse público.